segunda-feira, 25 de maio de 2015

Poema: Triste Engano



Triste Engano

Pensas que me conhece


E sabes minha limitação
Tamanha desilusão
Aprenderá a lição

Gritarei aos quatro cantos
Seus erros e defeitos
Brincarei com teu pranto
Pois sei que não és santo

Não sou animal de estimação
Que obedece por alimento
Sou muito mais complexo
Verei seu desapontamento

Suas teorias ficaram pelo chão
Escolho o meu rumo
O destino na palma da mão
Nunca em cima do muro

Pensas ser o dono da verdade
Mas eu vejo os fatos
E a tamanha disparidade
Das tuas palavras e atos

Conheço seu discurso
Sua mentira não cola
Mera perda de tempo
Você não me enrola

A verdade tarda mais não falha
Não farei parte dessa mentira
E tão pouco desse sistema
Cheio de esquemas

Porque sou livre
Dono da minha consciência
Não se admire
Aqui não tem inocência

Podes tapar minha voz
E minhas mãos muito dirão
Feche meus olhos
E verei com o coração

Podes me seqüestrar
Minha voz nunca se silenciará
Pois sou obra em ebulição
E poeta de formação
Roberto Albano


Outros poemas ou contos:

  




Nenhum comentário:

Postar um comentário